Conservadorismo – O que é? Como funciona?

Você sabe o que é o conservadorismo? Muito se fala, nos dias atuais, sobre o conservadorismo, mas pouco se sabe. Tanto no âmbito político, como no econômico e religioso, o tema é sempre levantado e gera muitas controvérsias.

O conservadorismo refere-se a uma filosofia social e política que busca, principalmente, na política, preservar a justiça, a ordem e a liberdade. Ele possui como princípio fundamental a busca por manter as instituições sociais tradicionais, por exemplo, a religião, a família, os usos, os costumes e as convenções.

Na economia, o conservadorismo defende o individualismo e liberdade, por isso, defende, também, a propriedade privada.

História X Conservadorismo

A primeira vez que o termo conservadorismo foi utilizado ocorreu no ano de 1818, por François René de Chateaubriand, na mesma época em que a sociedade buscava mudar as políticas pela Revolução Francesa.

O primeiro teórico político considerado conservador foi Edmund Burke, que, em 1790, previu em uma obra sua, “Reflections on the Revolution in France”, que a revolução decairia para ditadura em terror.

Ele fez, também, uma acusação contra os revolucionários, alegando que eles estavam destruindo as instituições, sem garantir que algo melhor as substituiria. Burke defendia sua posição por meio de discursos contra o racionalismo e o ateísmo, apoiando a ordem política tradicional.

Embora aproxime-se, também, do tradicionalismo e tenha influencia do nacionalismo, muitos consideram que ele originou-se a partir do feudalismo e capitalismo.

O que o conservadorismo defende?

O conservadorismo defende posições político-filosóficas mais rígidas e tradicionais, sendo contrário às grandes mudanças ou às revoluções no poder, acreditandoque manifestações populares ameaçam a ordem política.

Essa ideologia busca preservar, ao máximo, as instituições, como o governo parlamentar, a monarquia, a religião, a hierarquia social e os direitos de propriedade, focando, assim, na estabilidade e continuidade.

Isso porque para os conservadores, a base das atuações, sejam elas de natureza política ou social, é a tradição. Assim, é necessário respeitar um princípio seguro de conservação e de transmissão.

Para os conservadores, o que faz as sociedades funcionarem são os constrangimentos introduzidos pelas tradições.

De acordo com o conservadorismo, não é útil e de valia a criação de projetos universais de uma sociedade ideal, pois os povos têm diferentes costumes, histórias e tradições, sendo assim, um modelo adequado a um certo grupo de pessoas específico pode não ser o melhor para o outro.

Vale lembrar que, como os valores conservadores mudam e variam de acordo com o tempo e o lugar, o conservadorismo em si não é um conjunto de ideias políticas ou filosóficas já definidas.

Diferença do conservadorismo com outras correntes

Assim como qualquer outro pensamento ou corrente política, social ou econômica, o conservadorismo, também, tem diferenças entre correntes e filosofias, sendo que há posicionamentos liberais, revolucionários e reacionários.

As correntes ideológicas do conservadorismo podem ser destacadas da seguinte forma:

  1. Liberal: Apesar da possibilidade de concordarem com algumas questões econômicas, os liberais discordam com os conservadores em alguns aspectos mais sociais, além de terem uma visão muito mais progressista;
  2. Revolucionário: Estes buscam mudanças mais abruptas no poder político, sendo estas profundas e rápidas que se contrapõem aos reacionários;
  3. Reacionário: São contra mudanças grandes que podem levar à ruptura. Defendem que tudo o que já foi no passado não será igual, caso não haja a adoção das políticas anteriores;
  4. Tradicionalismo: O tradicionalismo refere-se mais a algumas práticas e costumes sociais, enquanto que o conservadorismo refere-se mais às concepções ideológicas.

Principais pensadores do movimento

Os principais pensadores do conservadorismo são:

  • Edmund Burke;
  • Louis de Bonald;
  • Joseph de Maistre;
  • Roger Scruton;
  • Russell Kirk;
  • Olavo de Carvalho.

O conservadorismo é de esquerda ou direita?

Desde que se iniciou o conservadorismo e o primeiro uso do termo, por François René de Chateaubriand, ele foi associado com a política de direita da época.

Assim, a maioria das posições ideológicas conservadoras têm muito mais relação com a direita do que com a esquerda, mas ainda existem pessoas de esquerda que se dizem conservadoras.

Embora o conservadorismo esteja mais relacionado com a direita, existe tanto a direita conservadora, como a direita liberal.

Vale lembrar que, como o conservadorismo não é focado em um conjunto de ideias já definidas, ele baseia-se nas tradições e nos costumes de cada local ou no tempo.

Suas posições podem variar de acordo com o local e a época, sendo assim, existe a possibilidade do conservadorismo estar mais ligado à direita do que à esquerda, de acordo com o país ou com a época.

Entender o conservadorismo é de suma importância para compreender parte da história da humanidade e alguns aspectos que nela estão inseridos. Informação é poder!