Entenda o que é a Direita na política: o que defende, partidos e história

Recorrentemente, podemos observar, tanto em discussões entre políticos de carreira, quanto entre formadores de opinião pública, ou mesmo pessoas comuns, por meio das redes sociais, os termos “direita” e “esquerda” sendo utilizados para qualificar ou desqualificar a postura político-ideológica de uns e de outros.

O que é a Direita?

Entenda o que é a Direita na política: o que defende, partidos e história

A ideologia defende uma menor participação do governo na sociedade, deixando que o próprio mercado dite suas regras. Ela define uma maior responsabilidade individual das pessoas e autonomia das empresas, com menores impostos e menor regulamentação.

Origem

As ideologias de esquerda e direita foram criadas durante as Assembleias Francesas do século 18. Nessa época, a burguesia procurava, com o apoio da população mais pobre, diminuir o poder da nobreza e do clero. Era a primeira fase da Revolução Francesa, compreendida entre 1789 e 1799.

Com a Assembleia Nacional Constituinte montada para criar a nova constituição, as camadas mais ricas não gostaram da participação dos mais pobres e sentaram todos juntos do lado direito do local, preferindo não se misturar. Por isso,o lado esquerdo foi associado à luta pelos trabalhadores e o direito ao conservadorismo, à elite.

Dentro dessa visão, ser de esquerda presume uma luta pelos direitos dos trabalhadores e da população mais pobre, a promoção do bem-estar coletivo e da participação popular dos movimentos sociais e das minorias. Já a direita representa uma visão mais conservadora, ligada a um comportamento tradicional, que busca manter o poder da elite e promover o bem-estar individual.

Para Norberto Bobbio, filósofo político, embora os dois lados busquem reformas, uma grande diferença seria que a esquerda busca promover a justiça social, enquanto a direita trabalha pela liberdade individual.

No mundo, o cenário político se abriu após a queda do Muro de Berlim, em 1989, que pôs fim à polarização de EUA x URSS. Várias espectros políticos surgiram, e hoje apenas os termos esquerda e direita não englobam toda a diversidade política do século XXI.

Com o tempo, outras divisões apareceram dentro de cada uma dessas ideologias. Hoje, os partidos de Direita englobam conservadores, democratas-cristãos, liberais e nacionalistas.

O que acreditam?

O conservadorismo do britânico Edmund Burke acabou por dar base de sustentação às ideologias ditas “de direita” no século XIX, sobretudo na Inglaterra e nos Estados Unidos. A defesa da ordem moral, da tradição e dos valores religiosos, da liberdade econômica, da livre iniciativa e da propriedade privadaestão entre as premissas básicas do pensamento conservador.

Na economia, a direita está muito associada ao liberalismo, doutrina que na economia pode indicar os que procuram manter a livre iniciativa de mercado e os direitos à propriedade particular. Algumas interpretações defendem a total não-intervenção do governo na economia, a redução de impostos para as empresas, a extinção da regulamentação governamental, entre outros. Isso, porém, não significa que um governo de direita não possa ter uma influência forte do Estado. Em regimes não democráticos, a direita é associada a um controle total do Estado.

O termo neoliberalismo surgiu a partir dos anos 80, associado a governos como de Reagan e Margareth Thatcher, que, devido à crise econômica do petróleo, privatizaram muitas empresas públicas e cortaram gastos sociais, a fim de garantir um equilíbrio fiscal. Era o fim do chamado Estado de Bem-Estar Social e o começo do Estado Mínimo, com gastos enxutos.

A direita acredita que deve haver menor pagamento de impostos para as pessoas que produzem mais, porque assim poderão contribuir para o bem-estar da sociedade. Também, acredita que saúde e educação devem ser cuidados por entidades privadas, que poderão prover um melhor atendimento.

Quanto a valores individuais e coletivos, a Direita valoriza os indivíduos independentes e responsáveis pelas suas ações. Cada indivíduo deve conviver com os resultados de suas decisões, sejam eles positivos ou negativos. Promove a igualdade político-jurídica, que é entendida como suficiente, para garantir as mesmas oportunidades aos indivíduos da sociedade. Considera a desigualdade social inevitável e natural, advinda da competição entre indivíduos livres. A ajuda às pessoas em necessidade na sociedade deve ser uma decisão dos indivíduos e não uma imposição do Estado ou da coletividade.

Direita no Brasil

Atualmente, os partidos do Brasil que são considerados de direita têm características de grupos conservadores, que apoiam ideais típicos de partidos de direita, como a não intervenção do Estado e a liberdade econômica.

Mas, muitos cientistas políticos acreditam que os conceitos de direita e esquerda já não são mais cabíveis em razão de existirem as variações entre os posicionamentos políticos atuais, que misturam ideologias tipicamente de esquerda com atitudes e interesses de direita.